21 de set de 2010

Série: OCULTISMO 3 - SEITAS ORIENTAIS




Série: OCULTISMO

           3 - SEITAS ORIENTAIS 













SEITAS ORIENTAIS

O pensamento filosófico dessas seitas está inserido em diversos setores da sociedade. Muitos desses ensinos são usados em treinamento de empresários, na formação de líderes e em cursos de motivação. Uma outra manifestação do pensamento eclético das religiões e seitas orientais, encontra-se atrelado aos conceitos dietéticos, naturalistas e espiritualistas. A ioga, por exemplo, possui mais de 5 milhões de adeptos no Brasil – atores e atrizes famosos, jornalistas, educadores, intelectuais e até mesmo religiosos praticam essa falsa filosofia religiosa travestida de exercício físico. Outra técnica empregada no Brasil é a acupuntura – método taoísta que contradiz as Escrituras. Oremos a fim de que o povo de Deus não seja aprisionado por esses sutis enganos. 
As seitas orientais Hare krishna, Igreja Messiânica Mundial, Seicho-No-Iê e Meditação Transcendental, o hinduísmo, o confucionismo, o taoísmo, o xintoísmo, invadem o Ocidente, por meio de uma outra manifestação religiosa – A Nova Era. Esta, assemelha-se a grande meretriz de Apocalipse 17, e, traz como rótulo: “A Mãe das Meretrizes e das Abominações da Terra” (Ap 17.5b). Sob a égide desse movimento religioso, todas as religiões, seitas e filosofias orientais são congregadas e disseminadas no Brasil e no mundo ocidental. Há manifestações específicas de cada uma dessas correntes, seja na televisão ou nos órgãos de difusão particulares. Contudo, a difusão massificada e a roupagem filosófica, dá-se mediante o sincretismo da Nova Era. O movimento retira a parte exótica e pagã da religião, empacota a filosofia e vende ao homem moderno a custo da vida eterna do indivíduo – preço muito maior do que vale qualquer um desses seguimentos.
 1. O Movimento Hare Krishna. Krishna é um personagem mitológico da Índia que, a princípio, apresentava-se como a encarnação de Vishnu.
2. Igreja Messiânia Mundial. Foi fundada em 1935 no Japão por Mokiti Okada, chamado por seus adeptos de Meishu-Sama — “Senhor da Luz”.
3. Seicho-No-Iê. Movimento religioso fundado no Japão por Masaharo Taniguchi em 1930.
4. Meditação Transcendental. O movimento, fundado na Índia em 1958 por Mahesh Brasad Warma, é uma ramificação do hinduísmo.
  . QUAIS SUAS CRENÇAS E PRÁTICAS?
1. Fontes de autoridade. Suas crenças e práticas estão fundamentadas na filosofia oriental registradas em seus livros sagrados (ver Rm 1.21,22).
a) Hare Krishna. Seu livro sagrado é o Bhagavad Gita, parte dos Vedas hindus.
b) Igreja Messiânica Mundial. Seus escritos sagrados são as obras de Meishu-Sama e de sua esposa.
c) Seicho-No-Iê. Seus escritos sagrados são os mesmos do xintoísmo: Kijiki e o Nihongi; do budismo: a Tripitaka; e, até mesmo, a Bíblia. 
d) Meditação Transcendental. Seus escritos sagrados são as interpretações que Maharishi fez dos Vedas, principalmente o Bhagavad Gita, livros sagrados do hinduísmo.
2. Deus. O conceito de Deus, no hinduísmo, pode ser politeísta, panteísta e monista.

Brahma. Vishnu, Shiva.

São chamados de trimúrti, isto é, os três principais deuses hindus.
a) Hare Krishna. Assim como o hinduísmo, defende o monismo panteísta.
b) Igreja Messiânica Mundial. Não possuem um conceito definido sobre Deus e seus atributos.
c) Seicho-No-Iê. Seu conceito a respeito de Deus é muito confuso: panteísta, pessoal; mas, às vezes, apresentam-no como uma energia vital e impessoal.
d) Meditação Transcendental. Seu conceito sobre Deus é proveniente do monismo panteísta da religião hindu.
3. Salvação. As seitas orientais manifestam o pensamento das religiões panteístas do Extremo Oriente.
a) Hare Krishna. A salvação é pelas obras, pelo próprio esforço e desapego às coisas materiais e pela recitação do mantra: repetição constante do nome Krishna.
b) Igreja Messiânica Mundial. Para eles, o salvador é Meishu-Sama, e a salvação é mediante o johrei, prática de imposição de mãos, que, segundo eles, transmite energia, ou uma luz, canalizada por meio de um amuleto sagrado.
c) Seicho-No-Iê. Ensinam que todos os homens são filhos de Deus, mesmo os incrédulos e assassinos, e que o homem torna-se deus quando se liberta da consciência do pecado.

 
d) Meditação Transcendental. Além de acreditarem na reencarnação, consideram que a salvação é efetivada pela meditação transcendental — exercícios mentais com recitação de mantra.

O que faz as seitas rejeitarem o autêntico cristianismo? Vamos adequar nossos métodos de evangelismo e missões a fim de ganhar, para Cristo, os que seguem tais seitas. Por falta da Palavra de Deus, tais pessoas estão perecendo sem quaisquer esperanças de ver Deus. Mostremos-lhes, pois, que o Senhor Jesus é a única solução. Você está disposto e preparado para ganhá-las para Cristo? O momento é chegado.

Novas Seitas Bizarras Proliferam
1. Urinaterapistas e hinduísmo. Você já ouviu falar de urinaterapia e útero mágico? Essas são alguma das mais bizarras crenças que estão conquistando mentes frágeis pelo mundo afora. Elas se apresentam como ciências e novidades, quando, na verdade, não são nem uma nem outra coisa. A primeira se refere à prática de beber a própria urina para tratamento de doenças, com base em doutrinas orientais, e a segunda, à feitiçaria sul-americana. Por incrível que pareça, a urinaterapia tem ganhado seguidores em todo o mundo. Os urinaterapistas ensinam que a urina é um produto puro do sangue, um maravilhoso medicamento natural produzido gratuitamente pelo nosso organismo. Segundo seus seguidores, a composição urinária seria o melhor remédio contra alergias, micoses e distúrbios renais e gastrointestinais. A ciência, obviamente, rebate todas essas afirmações. A medicina afirma que a urina serve para expelir substâncias tóxicas e que, por isso, se a pessoa não urinar, morre; a urina é composta de 95% de água e o resto de excretos, tais como uréia, cloreto de sódio e ácido úrico.
Na verdade, a urinaterapia é baseada na filosofia e religião hindu. No Damar Tantra, constituído de 107 versos, é dito que, à medida que se bebe a própria urina – um rigor denominado shivambukalpa – vai-se adquirindo qualidades ‘místicas, tais como força física e espiritual’. Era só o que faltava. As pessoas estão tão suscetíveis ao engano que já estão bebendo urina para crescer física e espiritualmente! Uma outra prática mencionada no texto hindu é o ato de comer as próprias fezes (sic). Será que daqui há pouco vão iniciar tal prática no Ocidente? Está mais do que claro que a uniterapia é mais um fruto da aceitação de práticas místicas orientais. A tentativa de encontrar base para ela nas Escrituras é para ocidentalizar esse costume bizarro e confundir as mentes. O texto a que aludem trata-se de João 4.10,11: ‘Jesus respondeu e disse-lhe: Se tu conheceras o dom de Deus e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva. Disse-lhe a mulher: Senhor, tu não tens com que a tirar, e o poço é fundo; onde, pois, tens a água viva?’ Nessa passagem, Jesus se reporta, claramente, ao que Ele proporciona na vida daqueles que o aceitam como Senhor e Salvador: a saciação da sede da alma, a satisfação plena em Deus. A declaração urinaterapista é um ultraje, um profundo desrespeito à Palavra de Deus. No Brasil, a urinaterapia é praticada pelo padre irlandês Joseph Dilon, e nos últimos anos tem sido matéria de revistas e reportagens televisivas
 
Fonte: Lições da EBD



HARE KRISHNA

       movimento Hare Krishna, nome pelo qual é conhecida a Sociedade Internacional Para a Consciência de Krishna (ISKCON — Internacional Socíety for Krishna Consciousness) é um tipo ortodoxo de hinduísmo vedantista.
 O movimento tem aproximadamente quinhentos anos de fundação na Índia, trinta anos no Ocidente e vinte anos no Brasil. Foi fundado por “Sua Divina Graça” Abhay Charan de Bhaktivedanta Swami Prabhupada que viveu como farmacêutico até 1959, tendo nascido em Calcutá, India, em 1896. Em 1959 deixou sua mulher e os cinco filhos para devotar-se de tempo integral e estudar com Síddharha Goswami. Este encarregou Prabhupada de levar a mensa gem de devoção a Krishna ao Ocidente. Veio pela primeira vez aos Estados Unidos em 1965, e em 1966 havia estabelecido o culto hindu de Krishna num pequeno aposento na cidade de Nova York. Antes de morrer, em 4 de novem bro de 1977, indicou um corpo dirigente de onze discípulos que continuaram sua missão. O presidente da ISKCON de Nova York, Bati Mardan Maharaj, disse por ocasião da morte dele: “Prabhupada foi um gênio mundial, maior que Jesus Cristo”. Por isso ele é cha mado “Sua Divina Graça”.
ESTILO DE VIDA DOS DEVOTOS
Os homens raspam a cabeça, deixando apenas um topete no alto e carregam um rosário de 108 contas, geralmente numa bolsa a tiracolo. O mantra é cantado 16 vezes para cada conta, diariamente. A cor do vestido é geral mente alaranjada para as mulheres. Pintam o corpo e o rosto para santificação e proteção com “tilaka”, uma pasta com água e um barro especial obtido na Índia e aplicado cada manhã, depois de um banho frio, em 13 diferentes partes do corpo, enquanto repetem os 13 diferentes nomes de Krishna.
  Regras de Conduta Básica
Há 4 regras que todos os novos membros devem obedecer:
1. Não comer peixe, carne e ovos;
2. Não se intoxicar com drogas, bebidas, fumo etc;
3. Não praticar jogos de azar;
4. Não praticar sexo, exceto no casamento (com finalidade de procriar).

Horário Diário
3 horas: levantar, chuveiro e pintura (tilaka);
4 horas: Adorar ídolos;
horas: Cânticos;
7:30 horas: Tarefas, refeições;
12:30 horas: Almoço vegetariano;
13:16 horas: Trabalho e adoração no templo;
17 horas: banho;
21 horas: Cama.

A sociedade
A sociedade divide-se em:
a. Trabalhadores: que fazem o esforço mais braçal (limpeza do templo, confecção de grinaldas de flores para os ídolos ou divindades);
b. Comerciantes: vão à rua pregar e difundir o movimento (na realidade, obter dinheiro com a colocação de incenso e livros em ônibus, ruas, escritórios, gabinetes);
c. Administradores: exercem a função de direção no templo, na editora ou na fazenda; traduzem do inglês, escrevem e estudam as escrituras védicas.

Os ídolos
Os ídolos das divindades nos templos não são considerados como ídolos pelos devotos, senão como encarnações de Krishna (aparecendo em formas materiais).
Os ídolos são espanados, vestidos, alimentados e banhados em águas de rosas. Na realidade o líquido usado para banhar um ídolo de Krishna consiste de águas de rosa, mel, leite e um pouco de urina de vaca. Depois de terminada a cerimônia os devotos consideram uma honra beber tal líquido misturado!

As mulheres
Há segregação de sexos. As mulheres e crianças adoram de um lado do santuário; os homens de outro. As mulheres e os homens comem separadamente. As mulheres se aconselham que não façam nada por sua conta, de mo do que não podem nem sair do templo sem permissão. Se têm que sair para mandar um recado, devem sair acompanhadas de um membro. A mulher está colocada numa situação de verdadeira criada do marido.

O mantra
Dá-se muito valor ao cântico dos mantras como um meio de se alcançar a iluminação (consciência de Krishna): “Hare Krishna, Hare Krishna, Hare Krishna, Hare Hare, Hare Rama, Rama, Rama, Hare Hare” (Hare significa “a energia do Senhor”; Krishna e Rama são títu los dados ao deus Kríshna).
No início não manifestam todos os oitos estados de êxtase transcendental:
])ficar imóvel;
2)  transpirar;
3)  arrepiar os pêlos
4)  mudar a voz;
5)  estremecer; de todo o corpo;
6) perda das forças físicas do corpo;
7) chorar em êxtase;
8) entrar em transe.
O primeiro sintoma do êxtase é o ímpeto de dançar à medida que se canta o mantra.

Condições para ser membro completo
Depois de observar estritamente as quatro regras, os novos adeptos devem aprender a cantar, a participar do templo, prostrar-se diante das divindades de madeira e mármore, e adaptar-se à rotina do templo. Seguem os seguintes estágios:

O serviço do templo
O serviço do templo tem importância considerável para os adeptos de Krishna. Deve-se entrar para o serviço do templo para demonstrar sua devoção.
Os devotos mais antigos insistem na entrega total da personalidade à filosofia do movi mento Hare Krishna.

Iniciação
Depois de participar por seis meses do templo, o novato é indicado para a iniciação. A cerimônia é chamada “Hare-nama”, ou iniciação do sagrado nome. E dado um novo nome espiritual.
Logo depois vem um período de espera de seis meses adicionais. Agora o devoto é eleito para o segundo rito: a iniciação bramânica. Se fizer tudo o que se lhe manda, sem fazer perguntas, e se é fiel em todo o serviço, alcança um estado de adiantamento espiritual.
Os homens recebem um manto sagrado que leva sobre o ombro esquerdo e sobre o peito. As mulheres não recebem tal manto. Os devo tos recebem também um mantra secreto, o mantra “gayatri”, que deve ser cantado três vezes por dia.

A “Sanniasa”
O passo seguinte na escala espiritual se conhece como “Sanniasa’. É um estado de renúncia reservado para os homens, especialmente o devoto”.
Implica em voto de pobreza e castidade, e numa entrega à pregação e obras, que dura toda a vida. Quando o devoto vem a estes “5 anniasa”, considera que tem obrigação de prostrar-se, porque estes monjes são considera dos realmente santos.
Modo de viver dos casados
Ao casal que deseja ter um filho se ensina que tenham relação sexual uma vez por mês, no dia que a mulher se mostrar fértil. Antes de entrar no ato sexual deve o casal cantar 50 vezes sua corrente de contas (que é como um rosário) para purificar-se. Uma mulher casada deve pedir permissão ao seu marido para qualquer coisa fora dos deveres prescritos no templo. A mulher está colocada como inferior ao marido.


ENSINAMENTOS DA SEITA
1. ISKCON
Os ensinos básicos da ISKCON são os seguintes:
a. Krishna é a maior de todas as divindades. Krishna tem o corpo azul, costuma tocar flauta, cuida de vacas e tem namoradas vaqueiras;
b. O corpo é ilusório; a alma é individual e ao mesmo tempo faz parte da alma divina;
c. Pelo cântico do nome divino, uma pessoa pode ser livre dos seus sofrimentos e experimentar o êxtase — amor transcendental sem contato sexual;
d. Os devotos devem render-se completamente aos seus gurus (mestres);
e. A salvação se alcança pela devoção. Praticam a yoga Bahkti. E uma forma de yoga com devoção a uma divindade pessoal;
f.  Mundo de Ilusão. Os seguidores de Krishna crêem que o corpo humano e o mundo físico não são reais, mas simples ilusão (maia, na linguagem hindu);
g.       Nas muitas ilusões existentes, três permanecem, proeminentemente: bondade, paixão e ignorância. Da forma como o homem encara esses três aspectos da vida, ele irá responder na próxima. 1 — Se é governado pela ignorância, na próxima irá para o inferno; 2 — Se a paixão governa sua vida, sua futura reencarnação será na terra; 3 —Mas, se sua vida é governada pela bondade (total repúdio ao mundo material e total devoção a Krishna), o devoto será recompensado na vida futura em outros planetas, na mais sublime das realidades espirituais;
h. É interessante notar que Krishna não oferece assistência aos seus adeptos nas 24 horas do dia, quando lutam para uma purificação.

2.      Devoção
Krishna não é um deus de graça. Cada de voto deve guardar sua própria mente e corpo através de vários trabalhos e cantando o grande mantra. Visto que Krishna se acha tão distante dos seus seguidores, um mestre espiritu al (guru) é chamado para ajudar no longo caminho da consciência de Krishna.
Os seguidores de Krishna crêem que, se eles fracassarem em compensar seus pecados nesta vida, terão outra chance na próxima e assim na outra, até a perfeição final. Todas as ações de um indivíduo querem boas querer más retornam a ele, em reações correspondentes, boas ou más.

CONCEITO DE ESPIRITUALIDADE

1.  ISKCON
Para a ISKCON, a espiritualidade é geral mente externa e cerimonial. Está baseada na tradição, mitos, lendas e costumes antigos, em vez de apoiada na verdade. Significa lealdade, gratidão, confiança em um ser supremo, deuses e mestres espirituais (gurus). Em outras palavras: é um tipo de teísmo combinado com adoração de imagens.

2. Cristão
Na teologia bíblica, a espiritualidade envolve novo nascimento e transformação da personalidade pelo Espírito Santo (Jo 3.5; II Co 5.17). O Espírito Santo é quem molda a nova personalidade na semelhança de Jesus (Jo 16. 7-9; 13-14). É um caminhar diário com Jesus, enquanto vivemos neste mundo.
A verdadeira espiritualidade também assegura aos cristãos uma vida futura no céu (Jo 14.2-3; Fl 3. 20).

3. Remissão
Os seguidores de Krishna realizam uma miríade de trabalhos diferentes cantando, guardando os quatros princípios ou regras de conduta etc, na esperança de compensar seus pecados e fracassos em amar Krishna.
A Bíblia ensina que foi necessário um só trabalho para apagar de vez o pecado. Isto aconteceu no Calvário, quando Cristo sofreu a morte de cruz em pagamento dos pecados do homem (Hb 1.3; 9.11-12, 24; 10.12); da parte do homem é suficiente aceitar o que Cristo fez por nós e crer nele (Jo 19.30; Ef 2.8-9).

ALGUMAS CITAÇÕES TÍPICAS

1. “Recusar fazer caridade é lamentável” (citação extraída de Teaching of Lord Chaitania, 1968, p.23, de A. C. Bhaktive danta Prabhupada).
2. “Filantropos que constroem instituições educacionais, hospitais e Igrejas estão perdendo seu tempo quando eles bem poderiam estar construindo templos para Krishna”.
3. “Se alguém tem disposição de fazer caridade, seria muito bom para ele, fazer caridade só para Krishna”. (ambas citações de A. C.         Krishna Bhaktivedanta Prabhupada, vol III, 1970, p. 189)
4. Em contradição com sua alegada prática de caridade universal, Prabhupada diz que:
.um devoto nunca deve se aproximar de uma pessoa materialista com qualquer condição de ajudá-lo”. (Teaching of lord Chaitania, p. 127)
5. O ponto de vista de Prabhupada sobre a mulher:
“A vida de um homem é melhor do que a vida de uma mulher”.
“Ocupe qualquer dinheiro e mulher que você tem em sua posse no serviço krishna”.
(A. C. Braktivedanta Prabhupada em krishna, vol. III, 1970, p. 7.249)
6. A atitude dos adeptos de Krishna para com a família e parentes dos devotos:
“Absorva isto de mim: uma pessoa que considera sua família e amizades como suas próprias é um asno”. (A. C. Bhaktivedanta Prabhu pada em Krishna, vol. III, 1970). Essa atitude contra a família levou A. C. Bhaktivedanta Prabhupada a renunciar a sua esposa e os filhos (Compare com 1 Tm 3.5-8).

ALGUMAS POSSÍVEIS FORMAS DE ABORDAGENS


1.  Como mostrar Jesus Cristo a um devoto de Krishna?
a) Pergunte se ele crê na Bíblia (eles dizem que sim, e também no Alcorão);
b) Leia Jo 14.6 e continue perguntando:
“Quem é Jesus e o que ele tem feito por nós, de acordo com a Bíblia?” Em seguida apresente a autoridade de Jesus como Deus, sua morte e ressurreição como homem. De­vem ser apresentadas lógicas e gentilmente, com apoio da Bíblia.

2. Todos somos pecadores
É essencial estabelecer que todos somos pecadores (Rm 3.9). Os devotos de Krishna não questionam isso. E por essa razão que Krishna é seu salvador e senhor. Mas a Bíblia nos ensina que só Jesus é Senhor e Salvador (Fl 2.11; Hb 10.10). Uma vez que o pecado seja compreendido, Cristo e Krishna podem ser comparados e contrastados. Quem é o Salvador? (At 4.10-12). Em Cristo habita a plenitude da DIVINDADE (Cl 2.9). No princípio existia como Deus (Jo 1.1), antes que o mun do existisse (Jo 17.24), e qualquer que confesse e creia em Jesus como Senhor e Salva dor, tem salvação (Rm 5. 10-11; 10. 9-13).

3. Devotos puros
Os adeptos de Krishna crêem que, median te a austeridade espiritual, mediante os cânti cos, o levantar-se todas as madrugadas e as purificações, poderão evoluir gradativamente, até chega rem a um nível onde ficarão libertos de todos os desejos físicos.
Pergunte então: “Quantas pessoas você acredita que real mente chegaram a esse nível?”
“Onde está a misericórdia de Deus se nos últimos cem anos, por exemplo, bilhões de pessoas viveram na terra, mas somente cinco devotos puros? Deste que somente os devotos puros podem ser sal vos, ninguém foi salvo, excetuando esses cinco. Esses são de Deus, que somente cinco pessoas dentre bi lhões de criaturas humanas têm sido salvas? Isso parece lógico?”
Prabhupada ensinava que, mesmo que alguém deseje uma simples guloseima, terá de voltar a este mundo para assumir outro corpo físico. Qualquer tipo de desejo físico é suficiente para fazer o indivíduo retornar material mente a este mundo, de modo que ele pode ter de começar tudo de novo, até atingir aquele nível onde não tenha qualquer desejo físico. Ora, quantas pessoas nesta terra você pensa que já atingiram esse nível? Você pensa que isso faz parte do plano da salvação de um Deus misericordioso e amoroso?

4. A credibilidade da Bíblia
“Vocês crêem que a Bíblia é a Palavra de Deus, não é?” (eles crêem que sim, e que o Gita também é a palavra de Deus). Como pode ser isso, visto que o Deus da Bíblia se separa de qualquer imagem de escultura, ao passo que os adeptos de Krishna adoram deuses so bre forma de imagem? Isso é totalmente in compatível (1 Jo 5.20; 1 Co 10.19-20; Ex 20.3-6).

Vocabulário
O vocabulário mais usado pelos adeptos de Krishna é:
a. O Bhagavad-gita: A Bíblia deles (usualmen te falam Gita).
b. Krishna: O completamente atrativo.
c. Castas: quatro classes sociais:
1. os brâmanes, casta sacerdotal e intelec tual;
2. os xátrias, os governantes e guerreiros;
3. os vaisias, agricultores e artesãos;
4. os sudras, classe inferior.
d. Hare: Energia.
e. Mantra: Canto.
f.  Maha-mantra: O grande cântico.
g. Bahkti: Serviço devocional.
h. Hare-nama: Nome sagrado de iniciação.
i.  Sanniasa: Renúcia.
j.  Krishna, Rama: Títulos dados a “deus”.
1. Sankírtana: Divulgação dos ensinamentos por meio de cantos.
m.      Sikha: Topete no alto da cabeça.


Quem é o Messias da  Igreja Messiânica Mundial?
Não são poucos os cristãos que confundem a Igreja Messiânica Mundial (IMM) com uma igreja evangélica das muitas que existem no Brasil em razão do nome Messiânica ser derivado do nome Messias. Isso se tornou mais notório quando o signatário ministrava um estudo bíblico domiciliar.Entre os participantes havia uma senhora, indagada sobre a sua filiação religiosa, sem reservas, declarou: sou filha de pastor, neta de pastor, ex-organista de uma igreja evangélica e hoje sou membro da Igreja Messiânica Mundial. Naturalmente, isso chocou-me profundamente. É possível que isso ainda esteja ocorrendo com muitos cristãos, pouco informados sobre a IMM, admitindo que ela seja uma entidade evangélica; quando na verdade, não é.
Como sabemos, o nome Messias, proveniente da forma helenizada do hebraico Mashiach, é exclusivo do Senhor Jesus Cristo. Khristós, sua tradução grega e Ungido , é nome ou título exclusivo de Jesus. Isaías, cognominado o profeta messiânico, falou assim a respeito do nascimento virginal de Jesus Cristo: Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome EMANUEL( Is 7.14) Esse versículo é citado em Mt 1.21-23, com a respectiva tradução, Deus conosco. Indagando Jesus os seus discípulos sobre sua identidade, Pedro tomou a palavra e disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. (Mt 16.16). Jesus afirmou que Pedro era abençoado, pois sua declaração tinha sido revelada por Deus.
MOKITI OKADAMokiti Okada é o seu Messias. Ele não faz segredo dessa reivindicação pois declara:Não houve outro caso semelhante a não ser Cristo que outorgou sua força aos seus 12 discípulos. (Apostila Para Aula de Iniciação, p. 23, aula 4). Mokiti Okada é também conhecido pelo título Meishu-Sama . Este título significa portador de luz . Uma luz não verdadeira , sem dúvida, pois a respeito de Jesus, João escreveu: Ali estava a luz verdadeira, que alumia a todo o homem que vem ao mundo (Jo 1.9). Se Jesus é a luz verdadeira, qualquer um que alegue ser portador de luz só pode ser aceito como não verdadeiro. Mokiti Okada , nasceu em Assakussa, Tóquio, no dia 23 de dezembro de 1881. Quando estava com a idade de 45 anos, isto em 1926, no mês de dezembro, teve sua experiência mística, ocasião em que afirma ter atingido o estado de Kenshinjitsu (conhecimento total da verdade de todas as coisas e dos fenômenos do universo e do homem). No alvorecer do dia 15 de junho de 1931, no alto do Monte Nokoguiri, Meishu-Sama recebeu a Iluminação Divina.A respeito dele dizem: Meishu-Sama fundou a Igreja Messiânica Mundial com este propósito: a realização do Céu na terra, com Verdade, Virtude e Beleza que trarão a saúde, a prosperidade e a paz. (A Igreja Messiânica Mundial, 1971/72, p. 13). Faleceu no dia 10 de fevereiro de 1955. Embora esteja morto, os seus os membros da IMM procuram conversar com Mokiti Okada. Certo membro da IMM assim se pronuncia: Fui ao altar, conversei com Meishu-Sama e lhe manifestei o meu desejo.(Oferta de Gratidão, p. 41) Ora, até onde sabemos, a IMM não admite a ressurreição do seu fundador. Como podemos então, falar com ele depois de morto? Naturalmente isso é um tipo de mediunidade, prática proibida por Deus.Vejamos a rpoibição de Deus: nem quem consulte os mortos.(Dt 18.11) A favor dos vivos interrogar-se-ão os mortos? A lei e ao Testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, nunca verão a alva.(Is 8.19,20).
Após a sua morte, foi sucedido pela sua esposa, Yoshi Okada, chamada pelos adeptos como Nidai-Sama. Em Junho de 1955 os messianicos iniciaram seus trabalhos no Brasil. Em Julho 1965 foi fundada a Igreja Messiânica Mundial do Brasil, com sede na cidade de São Paulo, possuindo locais de reunião em outras cidades do Brasil. Por ocasião do falecimento da segunda presidenta, a filha do casal, Itsuki Okada,assumiu a direção da IMM intitulando-se Yoshu-Sama. Embora Mokiti Okada afirme ter realizado muitos milagres ele se enquadra perfeitamente na advertência de Jesus em Mt 24.5: Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos. Enquanto os cristãos são orientados a orar ao Pai celestial em nome de Jesus (Jo 14.13,14; 1 Co 1.2), os messiânicos são orientados a orar a Deus e a Meishu Sama. Distribuem um impresso para o pedido de oração com os dizeres: Peço a Deus e Meishu-Sama que me enviem Luz para aliviar este sofrimento, possibilitando que esta pessoa sirva na Obra Divina, o mais rápido possível. Naturalmente, tal forma de orar coloca o messiânico na condição de um idólatra ao orar a Deus e a Meishu-Sama. Isso é proibido biblicamente (Sl 65.2; Is 45.20,22; At 4.12)
A IGREJAA IMM teve várias alterações de nome. Até 1950 a organização chamava-se NIPON KANNON KYDAN (Igreja Kannon do Japão); Atualmente é conhecida como: SEKAI KYUSEI-KYO - (Igreja Messiânica Mundial). Um dos nomes antigos dados a ela era Empresa Construtora de um Novo Mundo. Reconhecendo que esse título poderia confudi-la com uma empresa construtora comum, resolveram adotar o nome atual (Alicerce do Paraíso, p. 40 - volume 4). O grande objetivo da IMM é criar o paraíso na terra. Foram construídos os solos sagrados de Atami e Hakone, com muitos bosques, lagos e jardins projetados pelo próprio fundador. Admitindo sua vocação divina declara: Logo virá o tempo em que a Igreja Messiânica Mundial será proclamada pelo mundo inteiro. É uma igreja que se caracteriza pelo espírito eclético ou ecumênico. Sobre isso declara a IMM: Nossa Igreja é realmente liberal. (Alicerce do Paraíso, p. 66 - volume 4).
FONTE DE AUTORIDADE RELIGIOSA
Os ensinamentos básicos da IMM são revelações que Meishu-Sama recebeu supostamente de Deus. Afirmam que são portadores de luz e dão testemunho de que milhares de pessoas obtiveram milagres extraordinários simplesmente através da leitura dos Ensinamentos de Meishu- Sama. O respeito aos livros, com os ensinamentos do fundador, é tão grande que os messiânicos são aconselhados a colocá-los em locais altos e separados de outros objetos. Nunca devem pô-los numa cadeira ou no chão. Nenhum objeto deve ser posto acima dos ensinamentos. (Recomendações Para os Messiânicos, p. 26,27).
A FORÇA DE ATRAÇÃOOs milagres são muito enfatizados pela IMM,pois eles declaram: Na nossa igreja surgem incontáveis milagres: são curadas doenças consideradas incuráveis pela me--------di--cina. Tornando-se messiânica, ela compreenderá, também, que uma das grandes características de nossa religião é a ocorrência de muitos milagres.(Alicerce do Paraíso, p. 19, 55, volume 4). A Bíblia adverte que nem sempre os milagres provam a verdade de uma religião, principalmente quando seus ensinos divergem das Escrituras. Encontramos uma advertência sobre esse assunto em Dt 13.1-3: Quando profeta ou sonhador de sonhos se levantar no meio de ti e te der um sinal ou prodígio, e suceder o tal sinal ou prodígio, de que te houver falado, dizendo: Vamos após outros deuses, que não conhecestes, e sirvamo-los; Não ouvirás as palavras daquele profeta ou sonhador de sonhos; porquanto o Senhor vosso Deus vos prova, para saber se amais o Senhor com todo o vosso coração e com a vossa alma Jesus também advertiu: Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios, que, se possível fora, enganariam até os escolhi-dos.(Mt 24.24). Esses milagres são atribuídos à prática conhecida como JOHREI.
JOHREISurge então a seguinte pergunta: O que é o JOHREI? É uma palavra de origem japonesa, formada por duas palavras: JOH que significa purificar; REI que significa espírito ou corpo espiritual. Explicam nesse caso que: O Johrei foi revelado por Deus, concretizado pelo Mestre e permitido aos fiéis da Igreja Messiânica Mundial. O poder do Johrei emana do mundo de Deus, onde não se interpõe a ação da mente humana nem a força do homem." Ilustram o funcionamento dessa prática dizendo assim:... pode-se supor Deus como a estação de rádio, o Mestre um retransmissor, e o fiel o receptor. É pois [...] "o sagrado ato de purificação." (Igreja Messiânica Mundial, dezembro de 1980, p. 63) Para que os benefícios sejam alcançados , explicam: O Johrei é a Luz de Deus canalizada por Meishu-Sama para o 'OHIKARI'. O Ohikari é uma medalha,presa por um cordão colocado no peito do adepto. O Ohikari é recebido pelo adepto no momento em que termina o curso passa a ser aceito como membro da IMM. Apregoam maravilhas como resultado dessa prática: A Igreja Messiânica é uma religião com poderes suficientes para eliminar os sofrimentos da humanidade. Sua atuação é uma 'Obra de Salvação' ultra religiosa. O Johrei é um dos pontos mais importantes da doutrina messiânica, podendo-se dizer que ele é a essência da mesma, o que melhor a caracteriza, não havendo nada que se lhe compare. "(Alicerce do Paraíso, p. 69, volume 4). Como podemos perceber, essa prática é um dos pontos mais importantes da doutrina messiânica. Se a prática do Johrei é o sagrado ato de purificação, seria razoavel perguntar: purificar-se do quê?
MÁCULASTrata-se da purificação das máculas ou manchas humanas, o que nós cristãos denominamos pecado. A Bíblia ensina que o pecado entrou no mundo pela desobediência de Adão e Eva:Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram.(Rm 5.12)Os messiânicos, contrariando os ensinamentos da Palavra de Deus, acreditam que as máculas ou manchas humanas são provenientes das seguintes causas:
  • Herança dos antepassados.
  • Resultado de encarnações anteriores.
  • Pensamentos, palavras ou atos de maldade (máculas da atual redenção).
  • Ingestão de substâncias nocivas (produtos científicos ou medicinais adicionados na alimentação), que turvam o sangue (o sangue é o espírito materializado).
Ensinam então que as máculas mencionadas podem ser apagadas pela prática do Johrei. Esse ensino não é verdadeiro à luz da Bíblia prosseguem, ainda, afirmando que a doação de dinheiro pode acelerar o processo de eliminação das máculas, do seguinte modo:A partir do instante em que doamos dinheiro, espontaneamente gratos a todas as bênçãos recebidas, muitas das nossas máculas serão eliminadas. (Ensinamentos de Nidai Sama, p. 68, volume I). Admitir que dinheiro elimine máculas é inconcebível. É o conhecido pecado de simonia, criticado pelo apóstolo Pedro: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois cuidaste que o Dom de Deus se alcança por dinheiro. (At 8.20).Existe somente um meio de purificação das máculas do pecado. A Bíblia declara com muita clareza: Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que , por tradição, recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um Cordeiro imaculado e incontaminado.(1 Pe 1.18,19) ... e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.(1 Jo 1.7) Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça.(Ef 1.7); Quanto mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo? (Hb 9.14) A prática do Johrei não passa de um tipo de arte mágica e, como tal está ligada ao ocultismo, proibida por Deus em Dt 18.10-12, Entre ti se não achará quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro, nem encantador de encantamentos, nem quem consulte um espírito adivinhante, nem mágico, nem quem consulte os mortos, pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor... Como prova de conversão a Deus, os que praticavam tais artes mági-cas,aprendidas em livros espe-cializados, queimavam tais -li----te-raturas: Também muitos dos que seguiam artes mágicas trouxeram os seus livros e os queimaram na presença de todos e, feita a conta do seu preço, acharam que montava a cincoenta mil peças de prata. (At 19.19).
PANTEÍSMO E POLITEÍSMODisfarçadamente, a IMM declara sua missão: A Igreja Messiânica Mundial tem a missão de servir como principal veículo para comprovar ao mundo a existência de Deus, através da manifestação do seu poder.(Oferta de Gratidão, p. 17,19). Não obstante, seria oportuna a observação: Qual Deus? A pergunta é oportuna, pois os messiânicos professam um sincretismo religioso ensinando, ao mesmo tempo, conceitos panteístas e politeístas. Como panteístas ensinam: Deus é a Fonte da vida. Tanto o corpo espiritual do homem quanto o material, são partes d'Ele. Deus e o homem estão indis-soluvelmente relacionados como o estão pai e filho.(Ensi-namentos por Nidai Sama, p. 58, volume I). Panteísmo é a identificação da divindade com o homem e a natureza, o que é uma aberração lógica, pois Deus é o Absoluto e tudo mais é relativo, limitado e passageiro. Tal conceito da Divindade é completamente errôneo. Deus é eterno (Sl 90.2).O homem é limitado e passou a existir depois de criado por Deus (Gn 1.26). Deus ironiza o homem, dizendo: Vós tudo perver-teis! Como se o oleiro fosse igual ao barro, e a obra dissesse do seu artífice: Não me fez; e o vaso formado dissesse do seu oleiro: nada sabe. (Is 29.16) Ele é o que estende os céus como cortina, e os desenrola como tenda para neles habitar.(Is 40.22)
Por outro lado, professam também o politeísmo ao afirmar: Jeová, Deus, Logos, Tentei, Amaterassu-Ookami, Kunitatitoko-no-Mikoto, Cristo, Shaka, Amida e Kannon constituem o alvo da adoração de diversas religiões. Além desses, que são os principais, poderíamos citar inúmeros outros, como Mikoto, Nyorai, Daishi etc. Sem dúvida alguma, não levando em conta Inari, Tengu, Ryujin etc., que pertencem à crenças inferiores, todas são divindades de alto nível.(Alicerce do Paraíso, p. 108, volume 4).
Como podemos ver os messiânicos são politeístas, admitindo a existência vários deuses e declarando-os divindades de alto nível. Paulo afirma: Mas, quando não conhecíeis a Deus, servíeis aos que por natureza não são deuses.(Gl 4.8). Nivelar o Deus único e verdadeiro com deuses falsos é ato religioso condenado severamente por Deus: Não terás outros deuses diante de mim.(Ex 20.7)
A NATUREZA HUMANASegundo a IMM, o homem é dotado de três espíritos: o primeiro é o espírito guardião, um espírito de ancestral que protege o portador; o segundo é o espírito animal, que se agrega após o nascimento. É o espírito Secundário Ele pode ser o espírito da raposa, texugo, cão, gato, cavalo, boi, macaco, doninha, dragão, tengu. Tengu é um ser misterioso. Tem forma humana, com asas, rosto vermelho, nariz comprido, sendo portador de poderes extraordinários. Sempre usa um leque. É orgulhoso e amante de discussão e jogos. O tengu de Mokiti Okada, segundo ele mesmo confessa, é Karassu-tengu, que é variedade de Tengu com cabeça de corvo (Alicerce do Paraíso volume 3, p. 70/71). . O terceiro é o espírito primordial, que é a consciência. São muito estranhos esses espíritos de ancestrais que protegem os seus portadores. Mais estranho ainda é esse espírito animal que pode ser qualquer animal. O próprio Meishu-Sama porta um tengu com cabeça de corvo. Como sabemos, o corvo era considerado um animal imundo, por se tratar de ave de rapina (Lv 11.15). Que dizer de um líder religioso que admite ter em seu corpo um espírito de corvo? Segundo a Bíblia, o homem é ser de natureza tríplice: corpo, alma e espírito (1 Ts 5.23; Hb 4.12). Alma e espírito constituem a parte imaterial do homem, que se separa do corpo na hora da morte (Mt 10.28; Ec 12.7); corpo é a parte material do homem que se decompõe com a morte. Todos os mortos ressuscitarão para a ressurreição da vida ou para a condenação. (Jo 5.28,29; At 24.15)
CONSIDERAÇÕES FINAISTodo cristão familiarizado com os ensinamentos bíblicos não pode concordar com a doutrina e ensinos de Meishu-Sama. Entretanto, a IMM procura ganhar adeptos de outras organizações religiosas. Adotam duas estratégias para a expansão de seu sistema: primeira, propagam o slogan: É proibido proibir. É o que a Bíblia declara ser o caminho largo que conduz à perdição (Mt 7.13,14). Que adianta uma religião dar uma ampla liberdade a seu adepto e por fim ele se perder eternamente? (Mc 8.36,37).
Segundo procuram facilitar a adesão de adeptos proclamando que ninguém precisa abandonar sua religião para se tornar messiânico. Os membros de outras Igrejas não precisarão renunciar às suas religiões para unir-se à nossa igreja... (Igreja Messiânica Mundial, 1971/72, p. 20). Salomão no final de sua vida, admitiu que podia servir a Deus e cultuar os deuses de suas muitas esposas. Fez o que parecia mal aos olhos de Deus: Assim fez Salomão o que parecia mal aos olhos do Senhor...(1 Rs 11.6). Elias expôs aos israelitas que era impossível duplicidade de adoração: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o; e se Baal, segui-o (I Rs 18.21).Não nos enganemos: ninguém pode servir a dois senhores . Jesus é o Senhor(1 Co 12.3).
Fonte: Pr. Natanael Rinaldi

Seicho-no-iê
O movimento Seicho-no-iê foi iniciado por Taniguchi Masaharu, nascido a 22 de novembro de 1893, na Vila de Karasuhara, município de Kobe, no Japão. Devido à pobreza de seu lar, foi educado por seu tio, de maneira severa. Seu temperamento era retraído e entregava-se à leitura com avidez. Começou a sentir desgosto pela vida e a maldizer a sociedade. Já adulto, teve vários casos de amor, a tal ponto que sua consciência dolorida não o deixava dormir. Contraíra doenças venéreas e pensava tê-las transmitido a uma menina, sobrinha de um chefe seu. Somente sua auto-sugestão de que não existia doença o tranqüilizou, curando-o da insânia e aliviando sua consciência por um período de tempo. Depois de terminar a escola secundária, apesar da oposição de seus pais adotivos, inscreveu-se na Faculdade de Literatura Inglesa da Universidade Waseda, em Tóquio. Alimentava então idéias pessimistas sobre a vida, e procurava uma explicação lógica do mundo e do homem.
Taniguchi entregou-se ao estudo teórico e prático das ciências psíquicas que exerciam atração sobre ele e nas quais depositava a confiança de que poderiam salvar espiritualmente o homem e a sociedade.
Quando a Primeira Guerra Mundial estava no auge, imperava no Japão uma literatura moralizante, espiritualista e nacionalista. Taniguchi dedicou-se novamente à leitura e descobriu uma sutra budista (daizokio), tirando dela o ensinamento fundamental: "Não existe matéria, como não existem doenças: quem criou tudo isso foi o coração... Segue-se disso que a doença pode ser curada com o coração..." Este conceito tornou.se fundamental no Seicho-no-iê.
Em dezembro de 1922 Taniguchi partiu para Tóquio. Escreveu uma dissertação sobre a natureza religiosa do homem, intitulada: Para a Santidade. Estabeleceu os fundamentos da filosofia de Taniguchi: a "Teologia do movimento Seicho-no-iê". Em 1923 escreveu o livro Crítica a Deus, tendo Judas, o traidor, como herói.
Leu Tanisho, livro escrito por um discípulo de Shinram que desenvolveu a idéia do Tariki (salvação pela fé). Para Taniguchi as pessoas não precisavam de uma religião que lhes incutisse o medo, mas que trouxesse uma salvação amigável. Deixou influenciar-se pelas teorias de Bergson, pela lei da ação criadora do coração do livro de Holmes Zenwicke (americano), pela vontade de poder de Adler. Assim leu psicologia, espiritismo e estudou a ciência cristã.
Recebeu a revelação divina (shinsa): "Não existe matéria, mas existe a realidade"(jissô) - ensino básico do Seicho-no-iê. "Você é realidade, você é Buda, você é Cristo, você é infinito e inesgotável. "
Taniguchi misturou introspecção psicológica e fenômenos psíquicos curando os doentes através da auto-sugestão. Tornou-se um verdadeiro feiticeiro do século XX.
Em 1922, Taniguchi lançou uma revista, denominada Seicho-no-iê. A fama dela aumentou; em junho de 1930, Taniguchi inaugurou uma secretaria de imprensa. Em 1934 estabeleceu a direção do movimento em Tóquio; divulgava a fonte do fluido psíquico que garantia saúde aos amigos. Prometeu que a assinatura da revista garantiria afastar o medo de qualquer mal. Em 1935 começou a imprimir grandes anúncios nos jornais, semanalmente. Lago os assinantes chegaram a trinta mil. Em 1936 registrou o Seicho-no-iê como associação Cultural. Em 1941 transformou-o em seita religiosa centralizada no "Komio", espécie de deus pessoal ao qual se dirigem orações. Durante a Segunda Guerra, a seita colaborou com os nacionalistas, influenciando os operários das indústrias bélicas e os colonizadores da Manchúria. Depois da guerra, Taniguchi foi expulso pelo general MacArthur; a filha Emiko assumiu a chefia do Seicho-no.iê.

Taniguchi escreveu uma obra de 40 volumes: Simei no Jissô (Verdade da Vida) - livro básico do movimento. Tendo início em 1930, como simples movimento filosófico psicológico e cultural para propagar certas verdades, o Seicho-no-iê foi adquirindo aos poucos a conotação de religião. Na década de 1940 o movimento foi registrado como religião pelo governo japonês. É a mais eclética de todas as novas religiões. É uma miscelânea das grandes religiões tradicionais, como o cristianismo, o xintoísmo e o budismo, com psicologia, filosofia, medicina e literatura moderna. Os adeptos são até aconselhados a praticá-lo, continuando em suas religiões de origem. O"Kanro no hou" é utilizado como oração e como amuleto.
O emblema central do grupo Seicho-no-iê é formado pelo sol, dentro do qual se vê a lua, a cruz suástica, demonstrando a síntese que realizou das grandes religiões. Seicho-no-iê significa abrigo, casa, lar do crescimento, da plenitude da vida, amor, sabedoria, abundância e todos os demais bens em grau infinito.

No dia l0 de agosto de 1952, autorizada pela Sede Internacional da Seicho-no-iê, no Japão, foi instituída a Sociedade Religiosa Seicho-no-iê no Brasil, hoje Igreja Seicho-no-iê. Está espalhada principalmente pelos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Goiás, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul, Bahia e Pernambuco.
II-DOUTRINAS E REFUTAÇÃO


O Mal - A Seicho-no-iê é uma das cento e trinta novas religiões do Japão, e sua doutrina resume-se em três principais proposições:  matéria não tem existência real; só existe a realidade espiritual; O mal não existe; é pura ilusão da mente humana; O pecado também não existe; é mera ilusão. 



"Os males não têm existência real; nada mais são que simples sombra de imaginação." "O mal, a infelicidade, a doença, a depressão econômica, apagam-se quando são firmemente negados, porque eles nada mais são do que ilusões falsamente criadas pela morte." "Os sofrimentos nada mais são do que projeções da nossa mente em ilusão" (Convite à Prosperidade, p. 16, 27 e 71). 

A saída para evitar o mal é meditar sobre a verdadeira realidade, que é perfeita; o espírito pode dominar o material e mudá-lo. Não só Taniguchi mas qualquer pessoa é potencialmente Buda e Jesus. 

Se o mal é realmente uma ilusão, como explicar os terríveis acontecimentos à nossa volta? Deus é bom. Será ele responsável pelo mal que acontece no mundo? Além de a realidade demonstrar que existe o mal, a doutrina da Seicho-no-iê é antibíblica. Desde o princípio da criação o bem e o mal estão presentes (Gên. 2:9). Jesus ensinou esse princípio quando contou a parábola dos lavradores maus; ela nos mostra que o mal está dentro do coração do homem. O mal é uma oposição deliberada contra Deus: é seguir nosso próprio caminho sem tomar conhecimento de que somos filhos de Deus. 

Paulo nos ensina que a nossa luta neste mundo é contra o mal, que quer dominar nossa vida (Rom. 7:15-25; II Cor. 5:1-l0; Ef. 6:12; 1Cor. 15:50). Malaquias profetizou que há um julgamento para os que praticam o mal (Mal. 3). Os outros profetas também falaram contra o mal. João Batista pregou que o machado está posto sobre os que praticam o mal (Mat. 3 : l0). 

"Dizer que o mal é uma ilusão é contradizer não somente a Bíblia, que é a Palavra de Deus, mas também ignorar a experiência diária da vivência dos homens em sociedade.''


1.    O Pecado

 - Na revista Acendedor, nº 75, p. 36, há o artigo "O Pecado Não Existe", da autoria de Taniguchi. Tal afirmação não tem fundamentos, pois é anticientífica, anti-social, sem lógica. Qualquer pessoa racional, de bom senso, observa através da história que alguma coisa está errada com o homem. Não somente os religiosos, mas também os psicólogos e sociólogos admitem o erro que existe no homem e que perturba o seu ajustamento consigo mesmo e com os outros. A Bíblia chama esse erro, esse desvio, de pecado, corrupção, iniqüidade, em contraste com Deus, santo, puro, verdadeiro. "Por um homem entrou o pecado no mundo"" (Rom. 5:12). Trouxe morte física e espiritual (Gên. 2:15-17; Rom. 5:12, 23; Ef. 2:1-3). O pecado domina o homem (Rom. 7:19,20). Cristo morreu pelos nossos pecados e salva o homem dos pecados e da condenação (II Cor. 5:21; 1 Ped. 2:24; Rom. 5:1-11). A Seicho-no-iê não admite o pecado mas fala em culpa, crime, perdão, purificação, mácula, aprimoramento, preguiça, maldade, desgraça, calúnia. Diz que não existe doença, mas prega a cura! 

2.   Doenças

--    - As doenças não existem; a dor não é real, porque a matéria não tem existência real. As formas físicas, materiais, não passam de sombras da luz celeste a refletir-se sobre a terra. Tudo o que acontece no mundo material é reflexo da mente. "O como carnal não sente dores porque não é matéria" (Acendedor, n.° l10, p. 7). "Como Deus não criou a doença, a doença não existe." "De agora em diante não existirá mais nenhum sofrimento, nenhuma tristeza, nenhuma decepção e nenhum desapontamento" (Convite à Prosperidade, p. l6). A Seicho-no-iê ensina que os seguidores precisam controlar suas mentes. O homem deve procurar sua própria felicidade, mentalizando-a. A própria ciência já fez descobertas extraordinárias: Não somente o homem e os animais sentem dor, mas também as plantas. A Seicho-no-iê prega que "se por acaso a vida apresenta um estado de imperfeição, está doente, significa que você não está contemplando mentalmente a vida de Deus que habita em seu íntimo" (Convite à Prosperidade, p. 53). Nos capítulos11 e 12 de II Coríntios, Paulo descreve o seu sofrimento por amor a Cristo: açoitado pelos judeus; apedrejado; naufragou; em perigo; sentiu dores. Pediu ao Senhor que o livrasse do espinho na carne (sofrimento), mas Deus lhe respondeu: "A minha graça te basta" (II Cor. 12:9). A experiência de Paulo, de Jó e de outros servos de Deus mostra claramente que as doenças não são uma ilusão da mente da pessoa e sim uma realidade. O próprio Jesus Cristo sentiu a dor e o sofrimento em sua carne e pediu que Deus passasse dele esse cálice. A própria experiência humana, fora dos limites da Seicho-no-iê, atesta a realidade da doença, da dor e do sofrimento; em sã consciência, ninguém pode nega-los.



Os cristãos, entretanto, sabem enfrentar a dor, o sofrimento, a morte, a doença, com dignidade, sabendo que "todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus"(Rom. 8:28).

Se não existisse a doença, como a Seicho.no.iê prega curas milagrosas através de seus livros e revistas? 


3.   O Homem

   - Para a Seicho-no.iê todos os homens são filhos de Deus: os ladrões, os assassinos, os terroristas. O homem é bom. Sem o homem Deus não pode manifestar-se. O homem é puro e perfeito. Como filho de Deus o homem também é Deus. O homem se eleva à condição de Deus pela libertação da consciência do pecado. Não existe matéria, nem carne, nem corpo.



Cristo chamou os fariseus de sua época de filhos do Diabo (João 8:44). Paulo falou em filhos de Deus e filhos do Diabo (At. 13:10). Somente é filho de Deus aquele que recebe a Cristo pela fé (João 1:11, 12). O homem é tão bom que está se destruindo, um ao outro; está destruindo o mundo que o rodeia; está destruindo os animais. Os sociólogos estão desiludidos e não sabem encontrar a resposta para tantos problemas existentes entre os homens. Vemos que o homem sem Deus é uma tragédia total! A Seicho-no-iê diz que o homem é imortal. Não admite a realidade da velhice. Entretanto, o envelhecimento do próprio Taniguchi, com mais de 90 anos de idade, e de todos os seus seguidores, prova a falácia dos seus ensinamentos, sua inconsistência, a incoerência de suas teorias, a ilusão (isso sim) de suas verdades.


4.  Deus

- A Seicho-no-iê tem a ousadia de criticar o Pai Nosso. Diz que os cristãos têm por anos e mais anos repetido o Pai Nosso: "...seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu", mas tal não se realiza porque o céu não está acima das nuvens nem no mundo das três dimensões; o céu está no íntimo transcendental, aqui e agora (Convite à Prosperidade, p 17)_ o que se deve é mentalizar o céu para que seja encontrado pelas pessoas. Na literatura da Seicho-no-iê não se tem uma noção clara sobre Deus. Ele é panteísta, uma vez que se encontra em cada pessoa, em cada coisa deste mundo.

A Bíblia apresenta um Deus pessoal. Ele criou o homem à sua imagem e semelhança; uma das semelhanças é ser pessoal. A Bíblia ensina que Deus é transcendente, está além do mundo material (Is. 57:15). Deus não habitou no interior de Hitler, Stalin, Mussolini e outros homens perversos. Deus habita no interior dos contritos, humildes, daqueles que dão lugar a seu Espírito. 


5.  A Bíblia

- A Seicho-no-iê não dá qualquer relevância à Bíblia. Cita-a de maneira vaga e parcial, sem identificação e fora de contexto, sem qualquer exegese, interpretação ou explicação; utiliza alguns textos para favorecer a seita. A regra de fé e prática da Seicho-no-iê são os escritos de Taniguchi. Para a Seicho-no-iê, por ser um livro divino, a Bíblia é o mais humano dos livros. Para nós, cristãos, a Bíblia é um livro milenar. Sua formação foi encerrada há dois mil anos. Há muitas provas de sua inspiração divina: uma delas é o tempo de sua duração; a transformação que tem causado na vida de milhares de pessoas; sua indestrutibilidade. Deus disse tudo o que queria num único livro. A Seicho.no.iê já tem 300 obras escritas mas ainda não disse tudo. Não há comparação entre a Bíblia e a literatura dessa seita. 

6.   Cristo

- Taniguchi já afirmou que sua religião é superior ao cristianismo porque opera maiores e mais milagres do que Crista. Sente-se com autoridade para interpretar as palavras de Cristo segundo suas próprias convicções. Alguns católicos disseram até que compreenderam melhor a doutrina de Crista na Seicho-no-iê.



Taniguchi é mais crido, mais reverenciado, mais citado do que Jesus Cristo. Cristo disse: "Eu sou o caminho", isto é, o único caminho para Deus, para a salvação. A Seicho.no-iê interpreta essas palavras como se cada homem fosse o caminho, a porta da saída de Deus; não tendo Deus outra alternativa para manifestar sua força a não ser pelo homem. A Bíblia nos ensina que Deus tem usado o homem mas não está preso a ele, não depende dele porque é onipotente. Cristo disse que, se os discípulos se calassem, até as próprias pedras clamariam.


Se não existissem mal, não existiria pecado, e o sacrifício vicário de Cristo não teria razão de ser. Cristo veio para salvar os pecadores, como nos ensina a Bíblia (Luc. 19:10; João 3:14, 15; II Cor. 5:21; 1 Ped. 2:24; 1 Cor. 15:3). Cristo, filho unigênito de Deus veio ao mundo para salvá-lo. Morreu, ressuscitou e foi para os céus, para salvar o homem e interceder por ele. 




7.   Milagres

 - Israel Carlos Biork assim se expressou num de seus artigos: "O fato de no Seicho-no.ieísmo haver muitos milagres, não indica que é verdade. Os feiticeiros no Egito fizeram milagres diante de Moisés. Cristo disse que muitas pessoas vão comparecer diante dele e dizer que profetizaram, expulsaram demônios e fizeram muitos milagres, mas Cristo vai dizer que nunca as conheceu. A Bíblia diz que no fim do sistema atual, haveria muitos cristos aparecendo como salvadores da humanidade. E exatamente para isso que o seicho-no-ieísmo diz que existe, mas só apareceu no mundo em 1929. Diz a reportagem: 'Seu objetivo é construir um paraíso terrestre onde não haja uma só pessoa que padeça de sofrimentos ou enfermidades.' Por que o deus do Seicho-no-ieísmo deixou a humanidade mergulhada no sofrimento e na maldade por milhares de anos, para aparecer somente em 1929? O Deus da Bíblia nunca desamparou a humanidade. Sempre esteve empenhado na sua salvação por meio de Cristo, desde o jardim do Éden, quando o próprio Deus sacrificou um cordeiro para tipificar o Cristo que havia de vir para salvar a humanidade, e que já veio e que salva realmente, não pelos nossos méritos, mas por sua morte vicária." A Seicho-no-iê é uma seita oriental que não entra em conformidade com nossa maneira de pensar e com a nossa maneira de crer. É simplesmente humanista, pensando no aqui e agora; muda os ensinamentos de Jesus; enfatiza o poder de cada pessoa em dominar sua mente, sua vida, sua felicidade. Conhecemos o poder da mente na saúde física e espiritual do homem; entretanto, é impossível realizar todos os bens anunciados pela Seicho-no-iê. Cristo quer que sejamos sal da terra e que anunciemos a verdade nua e crua. Cristo não mencionou apenas palavras agradáveis e positivas; trouxe também a repreensão, o julgamento. Falou também em cada um levar a sua cruz e segui-lo.
Fonte: Lições da EBD

Nenhum comentário:

Postar um comentário